mental-health-4232031_1920

Temos memória, propósito e esperança!

É necessário um investimento real e sustentável na saúde mental.

Começo por citar Tiago Pereira, psicólogo Coordenador do gabinete de Crise Covid-19 da Ordem dos Psicólogos Portugueses: 

“(…) é impossível recuperarmos o nosso país, recuperamos a economia, recuperarmos o bem-estar, se não recuperarmos as pessoas (…)”

Vários são os estudos que têm surgido sobre o impacto devastador da pandemia na saúde mental.  Falamos do aumento de pessoas com depressão, do aumento das perturbações de ansiedade, da intensificação de sintomatologia ao nível obsessivo-compulsivo, aumento de comportamentos de dependência (álcool, jogo e internet), comportamentos de evitamento (evitamento de pessoas que tossem, espaços públicos, espaços fechados).

O ano passado foi um ano em que o sentimento predominante de medo, de incerteza e de falta de controlo se instalou nas nossas vivências. Medo da doença, medo do isolamento, medo da morte, medo de infetar as nossas pessoas amadas, medo simplesmente porque sim. De mãos dadas com estas questões, tivemos alterações de rotina, alteração do sono, dos hábitos alimentares, alterações de rendimentos e desemprego.  

Este contexto vivencial coletivo é fonte de sofrimento mental!

Muitas coisas foram feitas ao nível da saúde mental, nomeadamente o aconselhamento psicológico mais acessível para todos, mas ainda temos muito caminho para percorrer. Há demasiado tempo que não se investe na saúde mental, é necessário e urgente um investimento real e sustentável nos serviços ao nível da prevenção e da intervenção na saúde mental. É necessário alterar as políticas públicas por forma a promoverem o bem-estar das pessoas. Se não houver um investimento consistente no pessoal de saúde (psicólogos, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais, ente outros), nas escolas, nos hospitais, no emprego, na justiça na comunidade em geral, não haverá uma melhoria na prestação dos cuidados de saúde mental.

Temos memória do ano passado e de como estamos a tentar superar. Temos um propósito, cuidar de nós e dos outros dando sentido à nossa vivência. Temos a vacina, já temos a esperança, sentimento fundamental para a diminuição do sofrimento psicológico. Agora precisamos que quem possa decidir esteja à altura de todo o esforço que estamos a fazer!

Deixamos-lhe informação útil, caso queira ler mais sobre o assunto:

https://www-jn-pt.cdn.ampproject.org/c/s/www.jn.pt/especiais/por-quem-precisa/amp/e-impossivel-nos-recuperarmos-o-nosso-pais-se-nao-recuperarmos-as-pessoas-13207589.html

https://amp-sicnoticias-pt.cdn.ampproject.org/c/s/amp.sicnoticias.pt/especiais/coronavirus/2021-01-09-Covid-19.-Sete-em-dez-portugueses-em-quarentena-acusaram-sofrimento-psicologico

https://expresso.pt/coronavirus/2020-12-20-A-esperanca-e-um-aspeto-crucial-da-saude-mental

file:///C:/Users/User/AppData/Local/Packages/Microsoft.MicrosoftEdge_8wekyb3d8bbwe/TempState/Downloads/paaginas_de_revista_lisboa_31_saude_mental%20(3).pdf

Share this post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Subscreva

Deixe os seus contactos para lhe enviarmos um resumo semanal das novas publicações para o seu email