guy-781483_1280

Faz sentido estarmos cansados da pandemia? Temos o direito, é humano e a OMS já reconhece a fadiga pandémica!

Sinais e o que podemos fazer.

Estamos há meses a enfrentar vários acontecimentos que podem gerar stresse como: a quarentena, o distanciamento social, paralisações, perdas, ansiedade e incerteza, sobretudo ligada ao tempo que a situação pandémica vai durar.  Falar de perdas é falar de uma lista infinita de coisas (ex.º: emprego, ligações familiares, convívios com amigos e comunidade, viagens, oportunidades..), mas destacar as famílias que estão em processo de luto devido à COVID-19, que nem sempre podem despedir-se das suas pessoas, dificultando, por isso, todo o processo de luto.

Para agravar ainda mais todo o contexto vivencial, temos uma invasão de notícias sobre a COVID-19, aliada, muitas vezes, à desinformação e contrainformação nas redes sociais. A informação sem fundamento científico e contraditória coloca-nos a todos em risco.

Estamos cansados, tristes, assustados e ansiosos. Já esgotámos toda a energia (mental e física) para reagir ao vírus, estamos cansados de estarmos em constante vigilância e de estarmos sempre a obedecer a restrições e alterações na nossa vida. Toda esta situação é agravada se, neste turbilhão, acabamos por perder o emprego e os rendimentos, ficando ainda mais vulneráveis.

Alguns sinais que nos podem alertar para a vivência da fadiga pandémica:

– “Desleixo”, já não sou tão diligente com o uso da máscara ou já não lavo tantas vezes as mãos e não sou tão cuidadoso com o distanciamento social.

– Sinto que durmo as horas necessárias, mas sinto-me cansado e muitas vezes estou irritado.

– Não consigo perspetivar o futuro, sinto-me confuso e desesperado quando penso nisso.

– Sinto-me incapaz de realizar tarefas simples que anteriormente fazia sem esforço; já não tenho o mesmo nível de concentração. 

– Já não me envolvo em atividades que costumava achar agradáveis.

O que podemos fazer para alterar este estado?

Olharmos para nós como agentes ativos e voltar a acreditar que somos responsáveis pela solução:

– Lembre-se que uma das maneiras através da qual podemos exercer o controle da situação é usar a máscara, lavar as mãos e manter sempre que possível o distanciamento social.

– Fale com pessoas de confiança sobre o seu sentimento de irritação. Isto faz com que as pessoas que estão à sua volta percebam melhor as suas reações, sendo mais tolerantes.

–  Faça uma lista de três coisas que gostava de fazer e tente redescobrir o gosto que tinha nessas atividades.

– Reduza a exposição às notícias sobre a COVID-19. A constante exposição a notícias negativas e por vezes sensacionalistas afeta a saúde mental. Não existe muita necessidade de saber a contagem diária de infeções e mortes devido à Pandemia.    

É importante continuar a fazer a nossa vida, no sentido de aumentarmos o nosso bem-estar, assumindo comportamentos que minimizem o risco de contágio. 

Deixamos-lhe informação útil, caso queira ler mais sobre o assunto:

https://www.ordemdospsicologos.pt/ficheiros/documentos/doc_covid_19_fadiga_pandemia.pdf

Share this post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Subscreva

Deixe os seus contactos para lhe enviarmos um resumo semanal das novas publicações para o seu email